Categoria: Notícias

Senado aprova proposta que estabelece aposentadoria compulsória para servidores públicos aos 75 anos

comentários Compartilhe:

senado_plenário 2

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (1º) proposta que estabelece a aposentadoria compulsória dos servidores públicos aos 75 anos. Pela regra atual, essa aposentadoria se dá aos 70 anos. A mudança atinge todos os servidores públicos da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. A matéria tramitava em regime de urgência – o que permite superar prazos e etapas – e recebeu 59 votos favoráveis e 5 contrários. Agora, o texto segue para análise da Câmara dos Deputados.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) 274/2015 Complementar, de iniciativa do senador José Serra (PSDB-SP), foi apresentado para regulamentar a Emenda Constitucional 88/2015, conhecida como PEC da Bengala, promulgada no início de maio. A emenda determina que ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), dos tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União (TCU) se aposentarão compulsoriamente aos 75 anos de idade. Com o projeto aprovado pelo Senado, o novo limite para aposentadoria compulsória fica automaticamente estendido aos demais servidores públicos.

Para o senador José Serra, a extensão da aposentadoria compulsória para os 75 anos de idade é vantajosa tanto para os servidores como para a administração pública.

— Este é um projeto que representa um jogo de soma positiva. É uma medida vantajosa seja para quem se aposenta, seja para o governo, do ponto de vista financeiro. O governo vai economizar mais de R$ 1 bilhão por ano, com o aumento do tempo de serviço. Por outro lado, permite que muitos funcionários públicos que ainda não cumpriram o tempo de serviço possam se aposentar plenamente — explicou.

Junto ao projeto foi aprovada emenda incluindo os integrantes da Defensoria Pública, uma vez que hoje são carreira independente do corpo de servidores público. O relator da matéria, Lindbergh Farias (PT-RJ), afirmou que, com a proposta, “ganham, os servidores públicos, a opção de se aposentar mais tarde, ganha a Previdência, ganha a administração pública”.

Inconstitucional

Os votos contrários vieram de senadores que argumentaram que o projeto é inconstitucional. Segundo alertou o senador José Pimentel (PT-CE), há pouco tempo o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucional Lei Complementar 144/2014, que trata da aposentadoria especial para policiais, por considerar que este tema é de iniciativa privativa da Presidência da República. A tese também foi defendida pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Já a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) criticou a proposta por dar o mesmo tratamento a autoridades que assumem cargos por indicação política – como ministros de tribunais – a servidores que conquistaram os cargos por concurso público.

Legalidade

Em defesa da constitucionalidade do projeto, o autor da proposta esclareceu que a lei apenas regulamenta uma emenda constitucional, como previa a legislação, igualando a regra aos demais servidores públicos do país.

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) também elogiou a aprovação da matéria, ressaltando que é uma medida que já deveria ter sido tomada há muito tempo.

— Os velhos que se mantêm experientes devem ter o direito de continuar trabalhando. Só espero que isso não atrapalhe o ingresso dos jovens no serviço público, já que, é preciso que os servidores se aposentem para que novos cheguem — acrescentou.

Fonte: Agência Senado

comentários Compartilhe:
Categoria: Concursos no horizonte

Câmara aprova projeto que cria mais de 11 mil vagas para administração federal

comentários Compartilhe:

concurso

Uma excelente notícia para quem deseja ingressar na carreira pública. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), da Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (30) um projeto de lei que cria 11.028 cargos para a administração federal. De acordo com o texto do projeto, o provimento das vagas deverá ocorrer de forma gradual a partir deste ano.

Confiram abaixo a notícia publicada no site da Câmara:

Com impacto anual estimado em R$ 958 milhões, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), da Câmara dos Deputados, aprovou a criação de 11.028 cargos para provimento na administração pública federal. Os postos estão divididos entre as áreas da saúde, educação e segurança pública.

De autoria do Executivo e aprovado na última terça-feira (30/6), o Projeto de Lei 6244/2013 seguirá agora para análise do Senado, exceto se houver recurso para que seja analisado pelo Plenário da Câmara. O provimento dos novos cargos será gradual, com início ainda neste ano.

Educação

A área de educação foi a que recebeu mais cargos. Apenas para professores do ensino superior foram 5.320 postos e 2.008 para técnicos administrativos em educação. O Executivo também pretende transformar 1.977 cargos vagos de técnico-administrativo em educação, das instituições federais de ensino superior, em número igual de cargos com perfis adequados às necessidades institucionais.

Saúde

O órgão com maior número de cargos criados foi a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com 1.200 postos. Outros 130 foram para Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sendo 130 para especialista em regulação e vigilância sanitária, 30 para técnico em regulação e vigilância sanitária, e 20 para analista administrativo. A Agência Nacional de Saúde (ANS) ficou também com 127 cargos para especialista em regulamentação de saúde suplementar e 87 para analista administrativo.

Segurança

Sem aumento de despesa, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal também receberão cargos devido a extinção de postos vagos. Segundo a proposta, a PF vai contar com 44 engenheiros, cinco arquitetos e 36 psicólogos; e para a PRF serão 19 administradores, 17 engenheiros, cinco de estatísticos e três de técnicos de comunicação social.

O projeto prevê também que os cargos vagos do plano especial do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) sejam transformados em cargos de analista administrativo e de técnico administrativo.

Fonte: Agência Câmara

Esta é uma excelente notícia para quem almeja ingressar na carreira pública, pois a oferta de vagas será bastante significativa. No entanto, o candidato deve ter em mente que concursos desta natureza são muito concorridos e exigem muito esforço e dedicação.

Concorrência cada vez mais acirrada somada à procrastinação e falta de planejamento do candidato são fatores determinantes que culminam em uma provável reprovação. Por esta razão, aquele que estiver mais preparado, dedicar-se com afinco e seriedade aos estudos, certamente terá maiores chances de galgar rumo ao sucesso.

Não percam tempo e iniciem já os estudos!

comentários Compartilhe:
Categoria: Problemas em concursos

Inmet suspende concurso público com 242 vagas para nível médio e superior

comentários Compartilhe:

inmet_sede

O Instituto Nacional de Metereologia (Inmet) anunciou a suspensão do concurso público para provimento de 242 vagas para cargos de nível médio e superior. A decisão foi publicada ontem (30) no Diário Oficial da União (DOU).

Confiram abaixo:

suspensão concurso INMET

O concurso foi suspenso em razão de uma ação judicial que pede o cancelamento do certame. De acordo com a ação, o edital não prevê atribuições compatíveis para o cargo de analista em ciência e tecnologia, classe júnior, especialidade advogado. Os novos servidores iriam exercer a função de assessoramento e consultoria jurídica, atividades estas inerentes ao cargo de advogado da União.

O edital do concurso foi alterado duas vezes desde sua publicação em abril deste ano. Na primeira retificação, o prazo das inscrições foi adiado. Já na última retificação publicada dia 20 de abril, as inscrições foram suspensas sem previsão para reabertura.

O concurso

A seleção seria destinada ao preenchimento de 242 vagas para cargos de nível médio e superior com remunerações iniciais que variam entre R$3.045,83 e R$11.993,69. A Consulplan é a organizadora responsável pelo certame.

Para nível superior, o edital contempla os cargos de pesquisador (especialidades de meteorologia, estatística, hidrologia, ciência da computação, sensoriamento remoto e agronomia), analista (especialidades de meteorologia, telecomunicações, estatístico, jornalismo, publicidade, administração, advocacia, contabilidade e economia), e tecnologista (especialidades de meteorologia, tecnologia da informação e engenharia).

Já para os cargos de nível médio as oportunidades eram para assistente em ciência e tecnologia (especialidades de auxiliar de meteorologia, assistente TI, técnico em contabilidade e técnico administrativo) ou técnico (especialidades de meteorologia, informática, laboratório, eletrônica e operacional).

Ainda não há qualquer informação sobre quando (e se) o concurso será retomado.

Vamos acompanhar!

Com informações do CorreioWeb

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias

Câmara rejeita PEC que reduz maioridade penal para crimes hediondos

comentários Compartilhe:

PEC_maioridade_votação_câmara_deputados

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, na madrugada desta quarta-feira (1º), o texto da comissão especial para a PEC que reduz a maioridade penal (PEC 171/93). Foram 303 votos a favor, quando o mínimo necessário eram 308. Foram 184 votos contra e 3 abstenções.

A discussão, no entanto, ainda não se encerrou, avisou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Ele lembrou que o Plenário ainda tem de votar o texto original da proposta ou outras emendas que tramitam em conjunto.

“Eu sou obrigado a votar a PEC original para concluir a votação ou o que os partidos apresentarem. No curso da votação, poderão ser apresentadas várias emendas aglutinativas. A votação ainda está muito longe de acabar, foi uma etapa dela”, disse Cunha.

Ainda não há data para a retomada da discussão. Eduardo Cunha disse que a proposta poderá voltar à pauta na semana que vem ou, se isso não for possível, no segundo semestre. Antes do recesso, o Plenário ainda precisa votar o segundo turno da PEC da Reforma Política.

A proposta rejeitada reduziria de 18 para 16 anos a maioridade penal para crimes hediondos, como estupro, latrocínio e homicídio qualificado (quando há agravantes). O adolescente dessa faixa etária também poderia ser condenado por crimes de lesão corporal grave ou lesão corporal seguida de morte e roubo agravado (quando há uso de arma ou participação de dois ou mais criminosos, entre outras circunstâncias). O texto original, que pode ir à votação, reduz a maioridade para 16 em todos os casos.

A decisão apertada – faltaram 5 votos para aprovar a proposta – foi recebida com gritos por deputados e manifestantes das galerias, que cantaram “Pula, sai do chão, quem é contra a redução” e outras palavras de ordem. A sessão chegou a ser suspensa pelo presidente da Câmara para que as galerias fossem esvaziadas.

O relator da proposta, deputado Laerte Bessa (PR-DF), lamentou o resultado. “Infelizmente, nós perdemos. Eu fico triste, como parlamentar, e mais ainda como cidadão”, disse o deputado.

Bessa avaliou que as chances de vitória na PEC original são reduzidas. “O acordo foi feito com base nesse substitutivo”, explicou.

Reforma do ECA

O debate da PEC foi acirrado. Foram mais de três horas de discussão em um Plenário dividido, mas com uma opinião em comum: todos os discursos reconheceram que o Brasil enfrenta problemas no controle da criminalidade e que o Congresso precisa ampliar o debate.

Para os deputados contrários à PEC, a solução não está no julgamento de menores entre 16 e 17 anos como adultos, mas na revisão do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para aumentar o tempo de internação do jovem infrator no sistema atual de medida socioeducativa.

Para o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), a revisão do ECA deve ser prioridade da Câmara. “Agora é dialogarmos para, imediatamente, colocarmos em funcionamento a comissão especial de reforma do ECA. O governo apresentou uma proposta que amplia o prazo de internação, coloca mais rigidez para quem utiliza menores para cometer crimes contra a vida e separa os que cometem crimes contra a vida dos demais”, disse.

O deputado Tadeu Alencar (PSB-PE) lembrou que, nos últimos dez anos, o Congresso aprovou diversas leis aumentando o tempo de pena de diversos crimes, mas ainda assim a violência não diminuiu. “O que reduz a violência é a certeza da aplicação dessa pena. Para oferecer ao Brasil uma solução adequada, é preciso fazer um diagnóstico. E vai se chegar à conclusão de que ela é fruto da exclusão”, disse.

Para o líder do Pros, deputado Domingos Neto (CE), uma reforma no ECA poderia garantir a aplicação mais rápida de uma pena ao adolescente infrator, já que o processo é mais rápido do que o previsto no Código Penal. “Se punido pelo Código Penal, um jovem poderia estar solto em um ano e meio por progressão da pena, mas, se mudarmos o ECA, ele poderá cumprir pena de até 8 anos”, disse.

Domingos Neto afirmou ainda que a mudança legal precisa vir acompanhada de investimentos do governo federal nas instituições de internação.

Educação

Os deputados do PT, contrários ao texto, enfatizaram o discurso de que o jovem precisa de mais educação. “Não ofereçam a desesperança dos presídios, que não têm melhorado a vida de ninguém, a jovens que podemos resgatar”, apelou a deputada Maria do Rosário (PT-RS).

O deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) ressaltou que a redução da maioridade penal vai na contramão das experiências mundiais e não tem estudos a seu favor. “A reincidência entre os que cumprem pena no sistema prisional é de 70%, enquanto a reincidência entre os que cumprem medida socioeducativa é de apenas 36%”, disse.

Deputados também demonstraram preocupação com o efeito da regra em outras normas em vigor, como a idade mínima para dirigir, leis sobre exploração sexual e a proibição da venda de bebidas alcoólicas para menores. A preocupação foi levantada pelo deputado Glauber Braga (PSB-RJ). “Precisamos avaliar o valor da repercussão que essa decisão pode ter sobre outras áreas do mundo do direito – como a ampliação do direito de dirigir a partir dos 16”, disse.

Defesa da PEC

Defensores da redução da maioridade se ampararam nos casos de crimes violentos entre jovens de 16 e 17 anos para pedir a redução da idade mínima. Para o deputado Capitão Augusto (PR-SP), os jovens que seriam afetados pela proposta são “marginais”, não “garotos inocentes”. “O ECA é fraco, não pune, tanto é que, após atingir a maioridade penal, esse marginal sai com ficha limpa, independentemente dos crimes bárbaros que tenha praticado”, disse.

O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), destacou que o foco da proposta era punir crimes contra a vida. “É um texto que tem equilíbrio, propõe a redução apenas para os casos graves, sobretudo os crimes contra a vida. Suprimir uma vida é injustificável na idade e na classe social que for”, disse.

Deputados também citaram pesquisa do Instituto Datafolha que apontou 87% da população favorável à redução da maioridade penal. “É um desejo do povo brasileiro. Quase 90% da população brasileira, nas pesquisas, exige essa redução”, disse o relator da proposta, deputado Laerte Bessa (PR-DF).

Participação intensa

A disputa sobre a PEC da Maioridade Penal começou no início da semana, quando estudantes contrários à PEC se instalaram no gramado do Congresso Nacional. Os estudantes acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir a presença nas galerias do Plenário. Nesta terça-feira, houve tumulto entre manifestantes, parlamentares e policiais legislativos em alguns pontos da Câmara dos Deputados.

O acesso às galerias foi autorizado a um número reduzido de pessoas, por meio de senhas distribuídas por partidos. Manifestantes favoráveis e contrários acompanharam toda a votação de maneira pacífica, munidos de cartazes e camisetas.

Parlamentares também se utilizaram de cartazes para expressar a opinião. Os deputados do Psol levantaram cartazes dizendo “Redução não é a solução”, enquanto o deputado Silas Freire (PR-PI) levou uma faixa para dizer que a redução é uma resposta a crimes como o estupro de meninas no Piauí. Vários deputados também usaram camisetas declarando a posição.

Fonte: Agência Câmara

comentários Compartilhe:
Categoria: Concursos no horizonte

Governo do Mato Grosso anuncia novo concurso público para Polícia Civil com 130 vagas para delegados

comentários Compartilhe:

PC-MT

O Governo do Estado do Mato Grosso anunciou que pretende realizar um novo concurso público para a Polícia Civil (PC/MT), destinado ao provimento de 130 vagas para o cargo de delegado. De acordo com o Executivo Estadual, a medida faz parte de um pacote de ações que objetivam reforçar a segurança pública do Estado.

Com o novo efetivo, as delegacias do interior e as especializadas de combate à corrupção e ao crime organizado deverão ser fortalecidas. Além do reforço no quadro de delegados que deverá ocorrer ainda este ano, o governo do Estado afirmou também que serão convocados 1.062 policiais militares, policiais civis e bombeiros aprovados nos últimos concursos públicos.

Último concurso

O último concurso para a PC/MT foi realizado no ano de 2009 para provimento de 60 vagas de preenchimento imediato, mais cadastro de reserva para o cargo de delegado, além de 140 vagas para escrivão de polícia e 60 postos para investigador de polícia.

Os candidatos ao cargo de delegado foram avaliados através de seis fases distintas, que compreenderam a aplicação de provas objetivas e dissertativas, prova oral e avaliação de títulos, exame de saúde, teste de aptidão física, avaliação psicológica e por fim, investigação social.

Confiram o edital do concurso anterior clicando aqui

Quem pretende concorrer a uma das vagas, deve iniciar os estudos o quanto antes. Cada vez mais concursos para área policial vem ganhando adeptos, o que tem aumentado consideravelmente a concorrência. Isso se deve, além de outros fatores, pela estabilidade que o cargo proporciona e pelo salário, já que a Polícia Civil do Mato Grosso é uma das instituições que melhor remunera no país.

Como se preparar 

Para auxiliá-los a conquistar a tão sonhada aprovação, o CERS cursos online tem o curso certo para que você consiga lograr êxito na busca pelo cargo de delegado.

Confiram abaixo:

DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL 2015

Curso delegado civil - 2015- banner

Nesse curso o aluno  assistirá a mais de 200 horas de aula e encontrará as principais disciplinas cobradas para concursos de DELEGADO DE POLÍCIA com explanação teórica densa e consistente a fim de que se prepare com antecedência para tais concursos.

Serão gravados 109 encontros, de 2 horas cada encontro, sendo divididas em quatro blocos de 30 minutos, conforme cronograma abaixo.

Curso delegado civil - 2015- cronograma

Não percam tempo e façam já sua matrícula!

Com informações do Cenário MT

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias

Câmara poderá voltar ainda hoje PEC que reduz maioridade penal

comentários Compartilhe:

criminal_pic

A proposta de redução da maioridade penal de 18 para 16 anos nos casos de crimes hediondos, homicídio e roubo qualificado é o destaque da pauta do Plenário da Câmara dos Deputados a partir de hoje.

Entre os crimes classificados como hediondos estão estupro, latrocínio e homicídio qualificado (quando há agravantes).

Segundo a proposta (PEC 171/93), o adolescente também poderá ser considerado imputável (pode receber pena) em crimes de lesão corporal grave ou lesão corporal seguida de morte e roubo agravado (quando há sequestro ou participação de dois ou mais criminosos, entre outras circunstâncias).

A pena dos adolescentes será cumprida em estabelecimento separado dos maiores de 18 anos e dos menores inimputáveis.

A proposta foi aprovada no último dia 17 na comissão especial, na forma do relatório do deputado Laerte Bessa (PR-DF). Ele incluiu dispositivo sugerido pelo deputado Weverton Rocha (PDT-MA) para aperfeiçoar a estrutura do sistema socioeducativo e proibir a retenção de recursos (contingenciamento) destinados ao atendimento socioeducativo e à ressocialização.

Debate acirrado
O debate em Plenário promete ser grande, com manifestações marcadas para terça-feira, em Brasília. Contra o projeto se manifestaram diversas associações da sociedade civil, como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude (ABMP); Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef); Fundação Abrinq; Human Rights Watch; e Instituto Brasileiro de Ciências Criminais; entre outros.

Entretanto, segundo pesquisa do Datafolha, 87% da população brasileira é a favor da redução da idade penal. Na comissão especial, foram 21 votos a favor da proposta de emenda à Constituição e 6 contra.

Aditivos de dívidas

Na pauta do Plenário constam ainda emendas do Senado ao Projeto de Lei Complementar 37/15, do deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), que permite a aplicação da renegociação de índice de correção das dívidas estaduais com a União independentemente de regulamentação.

De acordo com as emendas, a União terá até o dia 31 de janeiro de 2016 para assinar com os estados e municípios os aditivos contratuais, independentemente de regulamentação. Após esse prazo, o devedor poderá recolher, a título de pagamento à União, o montante devido com a aplicação da lei.

A Lei Complementar 148/14 muda o índice de correção das dívidas de estados, do Distrito Federal e de municípios com a União, tornando-o mais vantajoso. Entretanto, até o momento, a falta de regulamentação não viabilizou a assinatura dos aditivos devido ao temor do governo federal de diminuir a arrecadação no atual período do ajuste fiscal.

PEC-171/1993

Fonte: Agência Câmara

comentários Compartilhe:
Categoria: Editais, Inscrições

TCU prorroga as inscrições do concurso público para técnicos e analistas

comentários Compartilhe:

TCU sede

O Tribunal de Contas da União retificou o edital de abertura do concurso público para provimento de 108 vagas para as carreiras de técnico e auditor federal de controle externo e alterou a data limite de encerramento das inscrições. Candidatos que pretendem concorrer a uma das vagas terão até o dia 2 de julho para efetuar o cadastro.

Para efetuar sua inscrição, clique nos links abaixo:

Inscrição – Técnico Federal de Controle Externo

Inscrição – Auditor Federal de Controle Externo

Confiram os editais completos abaixo:

Edital - Técnico Federal de Controle Externo

Edital - Auditor Federal de Controle Externo

Para o cargo de Auditor, o candidato concorrer a duas opções: Auditoria Governamental ou Tecnologia da Informação. Para ambas, é necessário possuir diploma de ensino superior em qualquer área de formação. Serão 66 vagas para lotação nas cidades de Rio Branco (AC), Macapá (AP), Manaus (AM), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Belém (PA) e Boa Vista (RR). A remuneração inicial para este cargo é de R$14 mil.

Já para a função de Técnico, são 42 oportunidades na área Técnica Administrativa. Os candidatos deverão possuir certificado de conclusão de curso de ensino médio, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Os aprovados serão lotados nas cidades de Rio Branco (AC), Manaus (AM), Salvador (BA), Brasília (DF), São Luís (MA), Cuiabá (MT), Belém (PA), Recife (PE), Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR). A remuneração inicial para esta função é de R$7,9 mil.

Provas

O concurso será composto por duas etapas. A primeira constará na aplicação de duas provas objetivas e duas discursivas, de caráter eliminatório e classificatório, de responsabilidade do Cespe. Já a segunda compreenderá o Programa de Formação, de caráter eliminatório, de responsabilidade do TCU.

As provas para técnicos serão aplicadas no dia 9 de agosto nos períodos matutino e vespertino. Já para o cargo de auditor, as avaliações foram marcadas para 16 de agosto. Todas as etapas serão realizadas nas cidades de Rio Branco/AC, Macapá/AP, Manaus/AM, Brasília/DF, Cuiabá/MT, Belém/PA e Boa Vista/RR.

Como se preparar

Para auxiliá-los a alcançar a tão sonhada aprovação, o CERS preparou dois cursos específicos para o concurso do TCU. São cursos especiais de resolução de questões e dicas teóricas sobre os principais pontos do conteúdo programático.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO – TÉCNICO FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO – PROJETO UTI – RESOLUÇÃO DE QUESTÕES E DICAS TEÓRICAS SOBRE OS PRINCIPAIS PONTOS DO EDITAL – 2015

Serão gravados 27 encontros, sendo 02 horas por encontro, divididas em blocos com 30 minutos, conforme cronograma abaixo:

Curso_TCU_2015_auditor

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO – AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO – ORIENTAÇÃO AUDITORIA GOVERNAMENTAL- PROJETO UTI – RESOLUÇÃO DE QUESTÕES E DICAS TEÓRICAS SOBRE OS PRINCIPAIS PONTOS DO EDITAL – 2015

Serão gravados 45 encontros, sendo 02 horas por encontro, divididas em blocos com 30 minutos, conforme cronograma abaixo:

Curso_TCU_2015_tecnico

Corram que ainda dá tempo!

comentários Compartilhe:
Categoria: Concursos no horizonte

Autorizado novo concurso público para o INSS com 950 vagas!

comentários Compartilhe:

INSS_logo

Foi publicada hoje (29) no Diário Oficial da União (DOU) uma portaria que autoriza a realização de um novo concurso público para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Serão 950 vagas sendo 800 para Técnico do Seguro Social e 150 para Analista do Seguro Social.

Confiram abaixo:

Portaria_autorização concurso INSS 2015

De acordo com a portaria, o INSS terá o prazo de seis meses para publicar o edital de abertura, ou seja, o documento deverá ser divulgado até 29 de dezembro de 2015.

Como se preparar

Pensando em auxiliá-los a alcançar aprovação, o CERS Cursos Online preparou um curso específico para este concurso, um dos mais esperados para este ano.

Confiram abaixo:

CURSO PARA O CONCURSO DE TÉCNICO DO INSS 2015 CURSO COMPLETO (TEORIA E QUESTÕES)

Não percam tempo e iniciem já os estudos!

Mais detalhes do concurso em breve!

comentários Compartilhe:
Categoria: Editais

MEC publica edital de processo seletivo com 316 vagas para nível superior

comentários Compartilhe:

ministérios

O Ministério da Educação (MEC) publicou um novo edital de abertura de processo seletivo simplificado para provimento de 316 vagas temporárias, para nível superior, com salários que variam entre R$3,8 mil a R$8,3 mil. O Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) será o responsável pela aplicação das provas.

Edital de abertura

Para concorrer, o candidato deverá possuir graduação de ensino superior nas seguintes áreas: informática (ou com pós-graduação na área), engenharia (civil, elétrica ou mecânica) e arquitetura. Haverá reserva de 5% das vagas para portadores de deficiência.

Confiram abaixo as especialidades contemplas na seleção:

Desenvolvedor, Web Design, Web Design/Mobile Design, Administrador de Dados, Administrador de Rede, Analista de Segurança, Analista de Sistemas, Analista de Sistema Operacional, Engenheiro Civil/Arquiteto, Engenheiro Eletricista, Engenheiro Mecânico, Administrador de Banco de Dados, Analista de Processos, Analista de Teste e Qualidade, Arquiteto de Sistema, Engenheiro Civil/Arquiteto Sênior, Gerente de Projetos, Gerente de Segurança, Gerente de Suporte e Gerente de Telecomunicações

Os candidatos aprovados serão lotados na capital do Distrito Federal, nas sedes do MEC, no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Inscrições

As inscrições poderão ser efetuadas no período das 10 horas do dia 3 de julho e 23 horas e 59 minutos do dia 22 de julho de 2015. O valor da taxa de inscrição será entre R$90,00 e R$120,00, dependendo da função escolhida no momento da inscrição. O valor deverá ser recolhido por meio de boleto bancário até o dia 7 de agosto de 2015.

Provas

Os candidatos serão avaliados através da aplicação de uma prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, composta por 130 questões que deverão ser julgadas pelo examinando como CERTA ou ERRADA, sistema que habitualmente é empregado pelo Cespe. A prova será aplicada previsivelmente no dia 13 de setembro de 2015, em Brasília/DF.

Com informações do CorreioWeb

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias, Sem categoria

Governo apresenta proposta de 21,3% de reajuste para servidores do judiciário

comentários Compartilhe:

MPOG

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, reuniu-se nesta quinta-feira (25) com o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, que entregou a proposta de 21,3% de reajuste para os servidores do Judiciário.

De acordo com a proposta, esse percentual seria parcelado entre os anos de 2016 e 2019, sendo 5,5% em 2016, 5% em 2017, 4,75% em 2018, 4,5% em 2019. Segundo o ministro do Planejamento, o reajuste foi calculado com base na inflação estimada para o período.

O presidente do STF informou ao ministro do Planejamento que não iria acatar a proposta do Executivo sem antes debatê-la com representantes dos servidores. Na sequência, será dada continuidade às negociações ainda no mês de julho.

Fonte: STF

comentários Compartilhe: