Categoria: Concursos no horizonte

Receita Federal prevê vários concursos a partir de 2015

comentários Compartilhe:

receita_federal_logo

No último dia 20 foi divulgado pelo Ministério do Planejamento que um processo encontra-se em trâmite visando o início de concursos em série na Receita Federal para provimento das carreiras de analista-tributário e auditor-fiscal (ambos de nível superior). A medida trata também de um plano de carreira para servidores entre os anos de 2015 e 2019 apresentado pelo Ministério da Fazenda para órgãos vinculados a ele.

A Receita Federal, ao ser consultada pela Folha Dirigida, limitou-se a dar poucas informações sobre o processo. Já o Ministério da Fazenda não se manifestou. As informações colhidas até o momento dão conta de que a Receita Federal atualmente possui um quadro de funcionário deficitário para os cargos de analista e auditor.

Um levantamento realizado no ano passado pelo órgão, foi possível verificar que a demanda na época exigia a criação de 3 mil novos servidores, sendo 1.600 analistas e 1.400 auditores, entretanto, o Ministério do Planejamento autorizou apenas 278 vagas somente para o cargo de auditor fiscal. Em relação à carreira de auditor, foram nomeados 691 aprovados no concurso aberto em 2012.

Ao ser consultada sobre o assunto, Sílvia Felismino, presidente do Sindicato dos Analistas Tributários da Receita Federal (Sindireceita), informou que esse número é bem inferior à necessidade real do órgão. Seria necessário a criação de aproximadamente 9 mil novos cargos de analistas, levando em consideração que atualmente o órgão conta com 8 mil em atividade, ou seja, 48% de sua capacidade que é de 17 mil.

Para concorrer a uma das vagas, o candidato deverá possuir ensino superior completo em qualquer área de formação. A remuneração para o cargo de auditor é de R$15.338,44 e de R$9.171,88 para analista, incluindo auxílio-alimentação no valor de R$373,00. Há previsão de que em 2015 esses valores sejam reajustados, passando a R$16.116,64 e R$9.629,42 respectivamente.

A organizadora, já definida, será a Escola de Administração Fazendária (Esaf). O processo seletivo realizado pela organizadora conta com três fases: provas objetivas, provas subjetivas (dissertativa para analista e discursiva para auditor) e sindicância de vida pregressa.

No último certame para o cargo de auditor, foram abordados temas como: Língua Portuguesa, Espanhol ou Inglês, Raciocínio Lógico-Quantitativo, Administração Geral e Pública, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Auditoria, Contabilidade Geral e Avançada, Legislação Tributária e Comércio Internacional e Legislação Aduaneira.

Já para o cargo de analista, as provas do último concurso versaram sobre as matérias de: Língua Portuguesa, Espanhol ou Inglês, Raciocínio Lógico-Quantitativo, Direito Constitucional e Administrativo e Administração Geral, além de Direito Tributário, Contabilidade Geral, Legislação Tributária e Aduaneira (área Geral) ou Direito Tributário, Contabilidade Geral e Informática (área de Informática).

Quem pretende ingressar na carreira, por óbvio, deverá se preparar o quanto antes, pois, a concorrência geralmente é grande. Exemplo disso, foi o concurso de 2012 que contou com mais de 93 mil inscritos para 750 vagas ofertadas na carreira de analista (124 candidatos por vaga) e 26.313 inscritos disputando uma das 200 vagas de auditor (131 candidatos por vaga) .

Apesar da necessidade de autorização pelo Ministério do Planejamento, o preparo deve começar desde já, levando em consideração o último concurso que, da data de sua autorização até a realização da prova se passaram apenas 11 semanas. Ou seja, quem deixar para estudar após a publicação do edital, certamente estará em desvantagem aos demais que programaram o preparo antecipadamente.

Com informações da Folha Dirigida

comentários Compartilhe:

Posts Relacionados