Categoria: Concursos, Editais

MP/SP lança novo concurso público para cargos de nível médio com salários de R$4 mil

comentários Compartilhe:

MPSP

Um excelente oportunidade para quem desejar ingressar na carreira pública.

O Ministério Público do Estado de São paulo (MP/SP) abriu um novo concurso público para provimento de 73 vagas para o cargo de Oficial de Promotoria I, com exigência de nível médio e salário inicial de R$4.095,00. A Fundação Vunesp é a organizadora responsável pela realização do certame.

Os candidatos aprovados serão lotados na capital e nas cidades de Araçatuba, Bauru, Campinas, Franca, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, Sorocaba, Taubaté e Vale do Ribeira.

Inscrições

As inscrições deverão ser efetuadas exclusivamente pela internet no período das 10 horas de 23 de novembro até às 16 horas de 18 de dezembro de 2015. O valor da taxa de inscrição é de R$80,00, o qual deverá ser recolhido até a data limite de encerramento das inscrições.

Provas

Os candidatos serão avaliados através de duas etapas que consistirão na aplicação de uma prova objetiva e uma prova de digitação. A prova objetiva será composta por 80 questões de múltipla escolha que versarão sobre as disciplinas de Língua Portuguesa, Noções de Direito, Matemática e Raciocínio Lógico e Atualidades.

MPSP_oficial de promotoria _2015_quadro provas

A prova objetiva será aplicada previsivelmente no dia 31 de janeiro de 2015 no período vespertino. Somente os candidatos habilitados e melhor classificados da lista geral serão convocados para a segunda fase (prova de digitação) até o limite de vagas especificado em edital para cada região.

Quem pretende concorrer a uma das vagas deve começar os estudos a partir de agora. O conteúdo programático deste certame é relativamente pequeno, proporcionando ao candidato um bom tempo para esgotar todas as matérias já que o lapso temporal de hoje até a data da prova é de pouco mais de 2 meses.

Cronograma de atividades

MPSP_oficial de promotoria _2015_cronograma

O prazo de validade do certame é de dois anos contatos a partir da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma única vez por igual período a critério do MP/SP.

Confiram o edital de abertura completo clicando AQUI

comentários Compartilhe:
Categoria: Sem categoria

TRT da 23ª Região lança novo concurso público com vagas para técnico e analista

comentários Compartilhe:

trt23

O Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região que abrange o estado do Mato Grosso divulgou nesta sexta-feira (20) o edital de abertura de seu novo concurso público para provimento de 16 vagas, além de cadastro de reserva, para cargos de nível médio e superior. A Fundação Carlos Chagas (FCC) é a organizadora responsável pela realização do certame.

Edital de abertura

Para analistas, as oportunidades serão para as áreas Judiciária e Administrativa, além da área de Apoio Especializado para Oficial de Justiça Avaliador Federal, Contabilidade, Biblioteconomia, Medicina do Trabalho, Fisioterapia e Tecnologia da Informação.

Já para técnicos, as vagas serão para as área Administrativa e Apoio Especializado com especialidade em Tecnologia da Informação e Enfermagem do Trabalho. A remuneração inicial para o cargo de Analista é de 8.803,97 e R$5.365,92 para Técnico. Para o cargo de Oficial de Justiça Avaliador será acrescido R$1.621,78 referente à gratificação de trabalho externo.

Para concorrer ao cargo de analista, o candidato deverá, além de outros requisitos, possuir diploma de ensino superior referente à área de atuação. Já para os cargos de nível médio, será exigido certificado de conclusão do ensino médio, além de curso técnico, se necessário, conforme especificado para a vaga.

Inscrições

As inscrições deverão ser efetuadas exclusivamente via internet no período das 10 horas do dia 26 de novembro até às 14 horas do dia 22 de dezembro de 2015. O valor da taxa de inscrição é de R$75,00 para o cargo de técnico e R$95,00 para analista. Este valor deverá ser pago através de boleto bancário até a data limite de encerramento das inscrições.

Provas

Os candidatos serão avaliados através de provas objetivas e provas discursivas. As provas objetivas serão compostas por 60 questões de múltipla escolha que versarão sobre as disciplinas constantes no conteúdo programático do edital.

As provas objetivas serão aplicadas previsivelmente no dia 21 de fevereiro de 2016 na cidade de Cuiabá/MT no período matutino para técnicos e vespertino para analistas.

O concurso terá validade de dois anos, contatos a partir da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma única vez a critério do tribunal.

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias

MPF recomenda suspensão das inscrições do concurso para oficial de chancelaria por falta de critérios de avaliação racial

comentários Compartilhe:

palacioItamaraty

O Ministério Público Federal do Distrito Federal (MPF/DF)  enviou um recomendação ao Ministério das Relações Exteriores (MRE) para que suspenda imediatamente as inscrições do concurso público para oficial de chancelaria do Itamaraty. O objetivo seria garantir a autenticidade da autodeclaração racial dos candidatos que concorrem pelas cotas raciais.

De acordo com o MPF, o edital de abertura não é específico quanto aos critérios de avaliação dos candidatos que se autodeclaram negros ou pardos e não prevê mecanismos de verificação de possíveis declarações falsas. Tal lacuna poderia inclusive impedir o acesso de candidatos historicamente estigmatizados.

Os procuradores da República, Ana Carolina Roman e Felipe Fritz sugerem que uma comissão especial seja criada para julgar os casos com decisões fundamentadas e com abertura de prazos para recursos caso o candidato seja eliminado. Para o MPF, o edital de abertura deveria ser republicado.

Segundo a assessoria de imprensa do Itamaraty, a recomendação foi recebida e será analisada no prazo de cinco dias estipulado pelo MPF.

O MRE está oferecendo 60 vagas para o cargo de oficial de chancelaria com salários que podem chegar a R$7.292 por uma jornada de trabalho de 40 horas semanais. A Fundação Carlos Chagas (FCC) é a organizadora responsável pela realização do certame.

Com informações do CorreioWeb

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias

CCJ aprova mudanças no novo CPC quatro meses antes de entrar em vigor

comentários Compartilhe:

CCJ_novoCPC_alterações

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (18), o projeto de lei da Câmara (PLC) 168/2015, que altera e revoga dispositivos do novo Código de Processo Civil (CPC – Lei 13.105/2015), com entrada em vigor prevista para 17 de março de 2016. A proposta recebeu parecer favorável do relator, senador Blairo Maggi (PR-MT).

Ao justificar o PLC 168/2015, seu autor, o deputado federal Carlos Mannato (SD-ES), destacou seu objetivo de “restabelecer e aprimorar a sistemática do juízo prévio de admissibilidade do recurso especial e extraordinário, suprimida pelo Novo Código de Processo Civil”. Conforme argumentou, esse juízo de admissibilidade atua como um “filtro” junto aos tribunais locais e poupa o Superior Tribunal de Justiça (STJ) de receber cerca de 48% dos recursos especiais interpostos, o que representa um contingente de 146.800 recursos.

Os senadores pelo PSDB Aloysio Nunes (SP) e Aécio Neves (MG) concordaram com a necessidade de se manter esse “filtro de admissibilidade” dos recursos especial e extraordinário junto aos tribunais estaduais. A preocupação é que o fim dessa barreira abarrote o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e, assim, inviabilize sua atuação.

— Eu considero que é urgente aprovar esse projeto porque o CPC vai entrar em vigor em março. Esse (manutenção do filtro de admissibilidade de recursos nos estados) é ponto central a ser aprovado — sustentou Aloysio.

Para o relator, “essa triagem desempenhada atualmente pelos tribunais locais e regionais consegue poupar o STF e o STJ de uma quantidade vertiginosa de recursos manifestamente descabidos. Suprimir esse juízo de admissibilidade, como pretende o texto atual do novo CPC, é entulhar as Cortes Superiores com milhares de milhares de recursos manifestamente descabidos.”

Quanto a outras mudanças sugeridas, uma delas pretende alterar a ordem cronológica de julgamentos de obrigatória para preferencial. Na sequência, o projeto tenta impedir que sejam sacados valores pagos a título de multa antes do trânsito em julgado (decisão definitiva) da ação. Mannato alertou para o perigo do saque antecipado da multa, observando que a recuperação destes valores — caso haja uma reversão do julgamento na instância extraordinária — poderia se tornar inviável materialmente.

Já entre as revogações postuladas pelo PLC 168/2015, está dispositivo que possibilita aos tribunais superiores adotarem o voto eletrônico no julgamento de recursos e processos que dispensam sustentação oral. Aloysio considerou que a supressão dessa possibilidade precisa ser examinada com mais cuidado.

Por fim, o presidente da CCJ, senador José Maranhão (PMDB-PB), avaliou a aprovação do projeto como de “suma importância para o bom funcionamento da Justiça.”

Se o texto da Câmara se mantiver inalterado durante a análise pelo Plenário do Senado, seguirá direto à sanção presidencial.

Fonte: Agência Senado

Confiram  o PLC 168/2015  na íntegra clicando AQUI

comentários Compartilhe:
Categoria: Sem categoria

STJ admite inscrição de devedor de alimentos em cadastro de proteção ao crédito

comentários Compartilhe:

cpf

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) admitiu a possibilidade de inscrição do nome do devedor de alimentos definitivos em cadastro de proteção ao crédito. O caso é inédito na corte superior e teve como relator o ministro Luis Felipe Salomão.

A possibilidade de inscrição do devedor de alimentos em cadastros como SPC e Serasa já está prevista no novo Código de Processo Civil (CPC), que entrará em vigor em março de 2016, como medida automática (artigo 782, parágrafo 3º). Para Salomão, trata-se de um mecanismo ágil, célere e eficaz de cobrança de prestações alimentícias.

O recurso no STJ era do menor. Durante o julgamento, o ministro destacou dados segundo os quais mais de 65% dos créditos inscritos em cadastros de inadimplentes são recuperados em até três dias uteis.

Direitos da criança

Para Salomão, a medida deve focar nos direitos da criança, protegidos pela Constituição Federal e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Ele lembrou que já existem diversos instrumentos ao alcance dos magistrados para que se concretize o cumprimento da obrigação alimentar. São formas de coerção previstas na lei para assegurar ao menor a efetividade do seu direito – como o desconto em folha, a penhora de bens e até a prisão civil.

Assim, o ministro entende ser possível ao magistrado, no âmbito da execução de alimentos, adotar a medida do protesto e do registro nos cadastros de inadimplentes do nome do devedor de alimentos. O caráter da urgência de que se reveste o crédito alimentar e sua relevância social são fundamentais para essa conclusão. “É bem provável que o devedor pense muito antes de deixar pagar a verba”, comentou.

Luis Felipe Salomão lamentou que os credores de pensão alimentícia não têm conseguido pelos meios executórios tradicionais satisfazer o débito. De outro lado, os alimentos constituem expressão concreta da dignidade da pessoa humana, pois tratam da subsistência do menor.

O ministro ainda rebateu que não há justificativa para inviabilizar o registro pois o segredo de justiça das ações de alimentos não se sobrepõe ao direito do menor, de receber os alimentos.

O voto do ministro Salomão foi acompanhado por todos os ministros do colegiado.

Fonte: STJ

comentários Compartilhe:
Categoria: Notícias

Congresso mantém veto a projeto que concedia reajuste aos servidores do Judiciário

comentários Compartilhe:

img20151118037472267267

O Congresso Nacional manteve oito vetos presidenciais a projetos de lei, entre os quais o que concedia reajuste de 78% aos servidores do Judiciário. Na votação mais acirrada da noite, a Câmara dos Deputados manteve o veto ao reajuste (PL 7920/14) por insuficiência de votos.

Para derrubá-lo, seriam necessários 257 votos na Câmara, mas foram registrados 251. Outros 132 deputados votaram a favor da manutenção do veto e 11 se abstiveram. Com o resultado, a matéria não foi analisada no Senado.

Segundo o governo, o reajuste teria impacto financeiro de R$ 27,5 bilhões aos cofres públicos nos próximos quatro anos e, depois disso, mais de R$ 10 bilhões por ano. O Executivo argumentou que a medida é “contrária aos esforços necessários para o equilíbrio fiscal”.

Desde julho, quando a correção salarial foi vetada, servidores do Judiciário protestam em frente ao prédio do Congresso pela derrubada do veto a cada sessão convocada. De acordo com as lideranças do movimento dos servidores do Judiciário, eles estão sem aumento há nove anos. Esse número, no entanto, foi contestado por deputados da base do governo.

“Servidores têm insistido em dizer que, em nove anos, não recebem reajuste, mas, entre 2013 e 2015, tiveram reajuste médio de 23% a 29% fruto de uma Gratificação de Atividade Judiciária”, afirmou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS). Ele chegou a ser interrompido por vaias das galerias.

Protesto de servidores

Depois do resultado, servidores do Judiciário que acompanharam a votação das galerias saíram gritando palavras de ordem contra o governo. “Pode avisar, pode esperar, a sua hora vai chegar”, entoaram os servidores.

A oposição insistiu nos pedidos pela derrubada do veto. O deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) rebateu o argumento governamental de que há cargos com aumentos de cerca de 70%. “Isso não é verdade, é uma recomposição salarial devida”, disse.

O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), também defendeu o aumento. “Os 78% [de aumento] são para alguns cargos, para que esses cargos, já extintos, possam cumprir o que não se cumpriu. O aumento, em média, é de 53%”, afirmou.

Já o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) disse que o governo age com dois pesos e duas medidas. “Sabe quanto, em apenas 12 meses, até agosto, se gastou com swaps cambiais para compensar o dólar? R$ 162 milhões”, acusou.

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) elogiou a mobilização da categoria. Ele disse que os servidores não devem ser sacrificados com nove anos sem aumento salarial. “Ora, de repente o governo escolhe os servidores do Judiciário como sendo o bode expiatório”, disse.

O deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) também criticou o governo. “Com que autoridade vem a presidente pedir ao Congresso Nacional que mantenha vetos?”, questionou.

Ajuste fiscal

O governo, no entanto, reforçou o discurso de que é preciso conter qualquer aumento de gastos em momento de crise. Paulo Pimenta disse que o aumento do Judiciário não está de acordo com o ajuste fiscal feito pelo governo. “Vivemos um ano de contingenciamento orçamentário da ordem de R$ 90 bilhões, o dobro da média histórica”, afirmou.

O deputado Silvio Costa (PSC-PE) defendeu a manutenção do veto. “Não posso amanhã olhar os meus netos e dizer que, num momento difícil da economia, cedi à pressão corporativa”, afirmou.

O relator do Orçamento, deputado Ricardo Barros (PP-PR), alertou para o impacto da medida. “Vivemos em um momento em que não há recursos”, disse.

Líderes governistas foram fundamentais para a manutenção do veto. O líder do PR, deputado Maurício Quintella Lessa (AL), disse que era o momento de apelar à necessidade de preservar o orçamento. “Ninguém é insensível à situação do Judiciário, mas o Brasil vive uma situação extrema do ponto de vista fiscal, e temos responsabilidade com o País”, disse. O PMDB também orientou contra o reajuste.

Fonte: Agência Câmara

comentários Compartilhe:
Categoria: Palestras

É hoje! O CERS transmitirá um debate ao vivo sobre a suspensão dos concursos públicos

comentários Compartilhe:

12243504_903131003099483_5947596813508453797_n (1)

Recentemente, o Governo Federal anunciou um pacote de medidas de ajuste fiscal para reforçar os cofres públicos na tentativa de amenizar a crise econômica. Entre elas, está a suspensão dos concursos federais previstos para 2016. Estes cortes afetam diretamente mais de 40 mil cargos.

A divulgação de tais medidas causou um enorme furor naqueles que tanto sonham ingressar na carreira pública, fazendo com que muitos suscitem até interromper os estudos, o que é um grande ERRO. Esta não é a primeira vez que concursos públicos são alvo da política orçamentária do governo. Assim, é possível vislumbrar uma situação positiva a longo prazo.

E qual postura o concurseiro deve adotar frente ao quadro atual?

Para sanar todas as dúvidas referentes ao futuro dos concursos públicos, o CERS reúne os melhores professores e especialistas na preparação para certames em uma transmissão ao vivo HOJE, dia 17/11, a partir das 19h (horário de Brasília).

Os professores Renato Saraiva, Rodrigo Bezerra, Rogério Sanches e William Douglas estarão tirando dúvidas sobre a suspensão dos concursos públicos e ensinando como surfar na onda da crise.

Participe gratuitamente se inscrevendo no site: desafios2016.cers.com.br

Não percam!!

comentários Compartilhe:
Categoria: Concursos no horizonte

TCM/RJ anuncia novo concurso público para técnico com remuneração de R$10 mil

comentários Compartilhe:

tcm-rj

O Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro (TCM/RJ) anunciou que o O Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC) será o organizador de seu próximo concurso público para Técnico de Controle Externo com remuneração inicial de R$10.578,22.

O presidente da comissão responsável pelo certame, o procurador José Ricardo Pereira de Castro, informou que a definição ocorreu ontem, dia 16 de novembro durante uma reunião entre os integrantes da comissão. A modalidade de escolha se deu através de dispensa de licitação e será publicada no Diário Oficial do Município (DOM) nos próximos dias.

“Será publicada uma dispensa de licitação, mas houve todo um procedimento no qual avaliamos diversas instituições candidatas a organizar o concurso. Optamos pelo IBFC, que apresentou-se bem em todas as nossas exigências. O próximo passo, após a escolha, é a contratação da organizadora definida e a elaboração do edital”, disse o presidente.

O edital de abertura, segundo ele, começará a ser elaborado já a partir das proximas reuniões da comissão. A expectativa é que o documento seja lançado ainda este ano, no entanto, os detalhes ainda serão acertados com a banca organizadora para que isto ocorra.

A seleção será destinada à contratação imediata de 15 servidores, porém, de acordo com o presidente do TCM, Thiers Montebello, haverá ao menos 50 contratações durante o prazo de validade do certame que será de dois anos, podendo ser prorrogado uma vez por igual período. Apesar da estimativa inicial, ele não descarta a possibilidade de ocorrerem nomeações além do número previsto.

Para concorrer ao cargo, o candidato deverá possuir certificado do ensino médio. O cargo de Técnico oferece remuneração inicial de R$8.130,22 referente ao salário-base, acrescidos de R$1.152,22, gratificações e auxílio-alimentação no valor de R$858,oo. Após três meses, este valor chega aos R$10.578,22. Além da remuneração, o tribunal oferece auxílio-saúde até o limite de R$990,00, auxílio-creche de R$1.020,00 para quem tem dependente de até 6 anos e auxílio-educação no mesmo valor para quem possui dependentes de até 17 anos.

Este é um dos concursos mais desejados pelos concurseiros que almejam ingressar na carreira pública, não só pela excelente remuneração que o cargo oferece, apesar da exigência de nível médio, mas pela estabilidade e a possibilidade de ganhos crescentes durante o desempenho da função. As gratificações são incorporadas a cada cinco anos ao salário e são posteriormente absorvidas na aposentadoria. Para se ter uma ideia, atualmente, um servidor se aposenta recebendo R$17.139,26.

Outros atrativos inerentes ao cargo chamam a atenção dos concurseiros, como plano de carreira. De acordo com o tribunal, o servidor conta com uma progressão principal, por tempo de serviço, além dos benefícios e gratificações acrescidos por pontuação que aumentam com o passar dos anos.

O concurso

Segundo o procurador José Ricardo, as fases do concurso já foram definidas. Os candidatos serão avaliados através de provas objetivas e discursivas. A prova objetiva versará sobre as disciplinas de Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Financeiro, Administração Financeira e Orçamentária (AFO), Controle Externo, Ciências da Administração, Raciocínio Lógico e Língua Portuguesa. Já a discursiva consistirá na elaboração de uma redação.

As provas serão aplicadas em dois turnos, matutino e vespertino. O procurador orienta que os candidatos que pretendem disputar uma vaga continuem estudando, pois, em breve o concurso será lançado. Apesar da morosidade dos ajustes finais para elaboração do edital, um trabalho intenso está sendo feito para que o documento seja divulgado o quanto antes.

Com informações da Folha Dirigida

comentários Compartilhe:
Categoria: Como se preparar, Concursos no horizonte

TJ/AM anuncia organizadora de seu novo concurso público para juiz substituto

comentários Compartilhe:

TJAM

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ/AM) anunciou que fará um novo concurso público com 22 oportunidades para o cargo de juiz substituto. De acordo com o extrato de contrato administrativo publicado no Diário de Justiça do Amazonas (DJAM), o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), será o organizador responsável pela realização do certame.

Confiram abaixo:

TJAM_extrato_contrato_organizadora_concurso magistratura

Ainda não há qualquer informação sobre a remuneração e data prevista para a publicação do edital, no entanto, como a organizadora já foi definida e, conforme consta no extrato, a vigência do contrato é de 12 meses, o tribunal terá até o mês de novembro de 2016 para realizar o concurso. Enquanto isso, quem pretende concorrer a uma das vaga deve, o quanto antes, iniciar os estudos.

Como se preparar para este certame?

Concursos para magistratura, além de muito concorridos, possuem um alto grau de dificuldade nas várias etapas que envolvem desde provas objetivas até prova oral. O candidato que não estiver bem preparado, poderá esbarrar já nas primeiras fases e ver interrompido seu sonho de ingressar na magistratura.

Inicialmente é preciso que o candidato prepare uma boa estratégia somada à disciplina e planejamento de estudos. Ler o edital do concurso anterior é o primeiro passo para o candidato se familiarizar com as disciplinas cobradas, ainda que a banca organizadora seja diversa.

Apesar da Fundação Getúlio Vargas (FGV) ter organizado o último certame, o conteúdo programático não deverá sofrer grandes alterações, principalmente no que se refere às disciplinas gerais e de maior peso como Direito Constitucional, Direito Civil, Direito Processual Civil, Direito Penal, Direito Processual Penal, Direito Administrativo, Direito Tributário e Direito Empresarial.

Posteriormente, é fundamental que o candidato escolha bons materiais didáticos sobre doutrina e legislação geral e específica, além de um bom curso. Para tanto, indico de plano, o Curso Preparatório para Carreira Jurídica do CERS.

Neste curso serão ministradas mais de 200 aulas (mais de 400 horas) de conteúdo direcionado às principais carreiras jurídicas do país, quais sejam: Ministério Público, Magistratura, Procuradorias, Polícia, Defensorias e Advocacia Pública em geral.

Seu corpo docente reúne a melhor equipe de professores do Brasil, composta de conceituados juristas e doutrinadores reconhecidos nacionalmente, os quais aliam conhecimento teórico e experiência prática. Com a coordenação científica do Professor Rogério Sanches, o curso conta ainda com os professores Renato Brasileiro, Cristiano Chaves de Farias, Matheus Carvalho, Robério Nunes, Fernando Gajardoni, Maurício Cunha, Fábio Roque, Renato de Pretto e Juan Vazquez.

Com uma metodologia inovadora, este curso conta com aulas expositivas de discussão das questões e dos principais assuntos de cada matéria, com a análise da jurisprudência e informativos mais relevantes dos Tribunais Superiores. Além disso, será disponibilizado no PORTAL CARREIRA JURÍDICA material complementar das aulas, bem como um canal de comunicação entre alunos e professores reservado para esclarecimento de dúvidas e perguntas.

CURSO PREPARATÓRIO PARA CARREIRA JURÍDICA 2015.2 MÓDULOS I E II

O candidato melhor preparado, certamente terá maiores chances de obter êxito e alcançar a tão sonhada aprovação.

Não percam tempo e iniciem já os estudos!

comentários Compartilhe:
Categoria: Como se preparar, Concursos, Cursos, Editais, Inscrições

Abertas as inscrições do concurso público para técnicos e analistas do TRT da 14ª Região

comentários Compartilhe:

TRT14_logo

Quem pretende disputar uma das vagas para Técnico ou Analista Judiciário do concurso público para o Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região que abrange os estados de Rondônia e Acre poderá a partir de hoje efetuar a inscrição no site da Fundação Carlos Chagas (FCC) organizadora do certame.

O tribunal está oferecendo 5 vagas, além de cadastro de reserva, para o cargo de Técnico Judiciário com especialidade nas áreas administrativa e área de apoio especializado – especialidade tecnologia da informação e 1 vaga, mais cadastro de reserva, para o cargo de analista judiciário nas áreas judiciária – especialidade oficial de justiça e apoio especializado – especialidade em tecnologia da informação. A remuneração inicial é de R$ 5.365,92 e R$8.803,97 para técnico e analista, respectivamente, além dos benefícios e gratificações inerentes ao cargo.

Confiram o edital de abertura completo clicando aqui

Para concorrer ao cargo de Técnico Judiciário, o candidato deverá possuir certificado de conclusão do ensino médio e curso técnico referente à área de atuação, caso o cargo exija. Já para Analista judiciário, será exigido diploma de curso superior na área pretendida pelo candidato.

22

As inscrições estão abertas a partir de hoje, dia 16 de novembro, e serão encerradas às 14 horas do dia 14 de dezembro de 2015 (horário de Brasília).

Para efetuar sua inscrição, clique aqui

O valor da inscrição é de R$75,00 para o cargo de Técnico Judiciário e R$100,00 para Analista Judiciário. A taxa deverá ser recolhida através de boleto bancário até a data limite de encerramento das inscrições.

Provas

Todos os candidatos serão avaliados através da aplicação de uma prova objetiva de múltipla escolha, composta por 60 questões de múltipla escolha que versará sobre as disciplinas constantes no conteúdo programático do edital de acordo com cada cargo/especialidade. Para Analistas haverá ainda uma prova discursiva.

TRT_14_quadro de provas_ concurso 2015_ANALISTATRT_14_quadro de provas_ concurso 2015_TECNICO

As Provas Objetivas e Discursivas serão realizadas previsivelmente no dia 28 de fevereiro de 2015 nas cidades de Porto Velho e Ji-Paraná – estado de Rondônia, e Rio Branco, estado do Acre, no período matutino para o cargo de técnico e vespertino para analista, conforme opção indicada pelo candidato no no momento da inscrição.

O concurso terá validade de dois anos contados a partir da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma única vez por igual período a critério do tribunal.

Como se preparar?

A pergunta mais frequente entre os concurseiros quando o edital do concurso público esperado é publicado é se o lapso temporal entre a divulgação do documento e a prova permiti o candidato ter um bom preparo, suficiente para alcançar a aprovação. Obviamente que quanto maior o tempo dedicado aos estudos, maiores são as chances de obter êxito, porém, é possível montar um planejamento de estudos eficiente mesmo após o edital ter sido publicado.

E para auxiliá-los, o CERS Cursos Online preparou um curso específico para este certame, oferecendo a seus alunos cursos especiais para quem pretende concorrer ao cargo de Analista Judiciário – área judiciária e Analista Judiciário – especialidade Oficial de Justiça Avaliador.

Sãos cursos específicos que abordam os principais temas de cada disciplina a fim de antever a forma como tais conteúdos serão cobrados nesse certame.

“PROJETO UTI DE  RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA FCC” (banca responsável pelo concurso), para o cargo de ANALISTA JUDICIÁRIO (ÁREA JUDICIÁRIA) 

“PROJETO UTI DE  RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA FCC” (banca responsável pelo concurso), para o cargo de ANALISTA JUDICIÁRIO - ESPECIALIDADE OFICIAL DE JUSTIÇA AVALIADOR FEDERAL

Não percam tempo e deem start nos estudos!

comentários Compartilhe: