Categoria: Fraude

Candidatos que se autodeclararam negros no concurso do TJDFT serão avaliados pessoalmente por comissão

comentários Compartilhe:

TJDFT

Após a polêmica sobre a possível fraude cometida por candidatos que se autodeclararam negros ou pardos no último concurso do Tribunal de Justiça do Distrito federal e Territórios (TJDFT), foi decidido que tais candidatos deverão ser submetidos a uma entrevista presencial, onde serão avaliados por uma comissão especial para verificar a veracidade das informações prestadas.

A decisão foi fundamentada com base nas denúncias realizadas por concorrentes enviada ao Ministério Público Federal (MPF) por não haver critérios objetivos de verificação das declarações, prejudicando assim outros candidatos.

A comissão responsável pela avaliação subjetiva dos candidatos será composta por representantes das organizações de combate ao racismo, integrantes do Conselho dos Direitos do Negro do Distrito Federal e do Núcleo de Estudos Afro-brasileiro da Universidade de Brasília (UnB).

Entenda o caso

Uma comissão composta por 29 candidatos aprovados no último concurso do TJDFT denunciou ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) a ocorrência de possíveis fraudes por parte de candidatos que se autodeclararam negros no ato da inscrição. Eles argumentaram que não há fiscalização, tampouco critérios subjetivos de avaliação dos candidatos e das declarações prestadas.

Trechos do texto enviado ao MPDFT e ao Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE/UnB) dizem que há candidatos que não possuem fenótipo de pessoas negras e que é injusto que as vagas sejam ocupadas por pessoas que não preenchem os requisitos, sendo injusto com os demais candidatos.

De acordo com a denúncias, candidatos que ingressam nos cargos beneficiados pela lei de cotas através de declarações falsas acaba por prejudicar candidatos que sejam realmente negros, usurpando assim o direito destes de ocupar um cargo público.

O TJDFT argumentou que todas as normas legais provenientes do Conselho Nacional de justiça (CNJ) foram observadas durante a realização do certame, no entanto, caso sejam comprovadas tais denúncias, todas as medidas serão tomadas. Além disso, o tribunal está tomando providência para a conclusão célere do certame e qualquer informação acerca do caso será divulgada oportunamente em edital.

Com informações do CorreioWeb

comentários Compartilhe:

Posts Relacionados